Translate

terça-feira, 9 de junho de 2009

O Meu Cavaquinho - 2: Os ajustes à minha medida

Os cavaquinhos que se compram nas lojas não estão normalmente ajustados à nossa medida, são feitos tipo "pronto a vestir", têm que servir para um número grande de pessoas e diferentes tipos de utilização...

Portanto pode ser preciso fazer uns pequenos ajustes no cavaquinho para o pormos "à nossa medida"...

Alguns exemplos e sugestões:

- A altura das cordas aos trastos (ao 1º e ao 12º trastos)

Este ajuste é dos mais importantes se vamos tocar de "rasgado".

1) A altura das cordas ao 1º trasto porque, se for demasiado alta, força demais (vinca) a corda contra a pestana quando a pisamos no primeiro intervalo, o que tem duas consequências más: a primeira é que aumenta a tensão da corda, distorcendo o tom, a segunda é que, com a continuação do esforço, faz a corda partir-se mais cêdo. Se for demasiado baixa, demasiado próxima do trasto, as cordas ao vibrarem soltas podem tocar no 1º trasto gerando vibrações e sons parasitas.

2) A altura das cordas ao 12º trasto ( ou antes, a altura das cordas ao tampo raso), porque, se for demasiado alta, não permite uma fácil passagem das unhas para o toque "rasgado". Se for demasiado baixa, demasiado próxima do 12º trasto, as cordas premidas nos outros trastos, ao vibrarem, podem tocar nos trastos seguintes gerando vibrações e sons parasitas.

A altura das cordas ao 1º trasto deve ser por isso pouco maior que a espessura de duas ou três folhas de papel (usando as folhas dos "post-it" como referência). A altura ao 12º trasto deve ser qualquer coisa como a espessura de entre 15 e 20 folhas de papel (usando a mesma referência).



Se precisarmos de fazer estes ajustes, devemos fazer primeiro o segundo, por meio da redução da altura do cavalete por desbaste, por exemplo, com uma lixa fina. E depois o primeiro, aos poucos aprofundando um pouco mais as ranhuras da pestana, com uma lâmina (cuidado para não aprofundar demais!), testando sempre entre cada tentativa, com as cordas em tensão.




- O calibre das cordas.

Principalmente se vamos tocar muitas vezes de "rasgado".


Normalmente vêm "de fábrica" com quatro cordas todas do mesmo calibre (ex.: No. 10, 0.23mm ou 0.009"). Quando tocamos de "rasgado" as duas cordas superiores são mais forçadas que as outras pelo que desafinam muito facilmente. Devemos por isso substitui-las por outras de calibre superior (ex.: No. 8, 0.28mm ou 0.011"). Por serem mais espessas estas duas cordas vão estar com uma tensão um pouco superior resistindo muito melhor aos "ataques" dos dedos e das unhas nos "rasgados" que fizermos.

- Os pontos marcados na escala (braço) no 3º, 5º, 7º, 10º e 12º intervalos.

Estes pontos dão muito jeito a quem toca...no início e não só...

Se "de fábrica" não os tiver, não há crise, é muito fácil pô-los. Basta colar na escala, com uma cola de papel, uns papelinhos brancos (os feitos por um vulgar furador de folhas de papel servem na perfeição para este efeito!). Assim em qualquer altura podem ser substituidos ou removidos sem deixar manchas na madeira;



- A alça para segurar a cabeça (do cavaquinho!)


Para mim, imprescindível!


Há quem consiga, até de pé, segurar o cavaquinho na posição correcta usando só a mão e o braço. Eu não consigo, nem sentado!

Bom, resolve-se o problema com uma alça, que pode ser feita com uma fita ou um cordão.

A alça pode colocar-se fixa num ponto apenas (cabeça ) ou em dois pontos (cabeça e fundo). Se for suficiente para o efeito, é preferível a primeira hipótese por não precisar de colocar nenhum parafuso no fundo do cavaquinho.

Convém que esta alça seja ajustável em comprimento para maior comodidade nossa ao pôr e ao tirar.

Sem comentários:

Enviar um comentário